XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Leveduras em biofilme de tubo orotraqueal e a relação com sua presença na secreção traqueal

Objetivo(s)

Verificar a presença de leveduras em biofilme de tubos orotraqueais e correlacionar com a colonização de leveduras na secreção traqueal.

Métodos

O estudo está vinculado a um projeto maior já aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Unicesumar (nº parecer 1.742.787). As amostras de secreção traqueal foram coletadas de pacientes que estão sob uso da ventilação mecânica invasiva, internados na unidade de terapia intensiva (UTI). Amostras de secreção traqueal foram coletadas nas 48 horas e quinto dia após intubação. Após a extubação dos pacientes o tubo orotraqueal foi cortado em quatro fragmentos de 2 centímetros: infra cuff, supra cuff, na marcação de 19 a 21 cm e parte proximal (externa). Ambos tipos de amostra foram encaminhados ao laboratório onde foram cultivados e as leveduras desenvolvidas identificadas por meio de provas clássicas (avaliação macro e micromorfológica e bioquímica).

Resultados

De fevereiro a abril 2017, nove pacientes atenderam aos critérios de inclusão do projeto e foram investigados laboratorialmente quanto à colonização por leveduras. Foram identificadas leveduras do gênero Candida nos biofilmes do tubo endotraqueal em 66,6% das amostras, sendo que 55,5% dos pacientes tinha a mesma levedura também em secreção traqueal. Candida albicans, C. glabrata e C. tropicalis foram as espécies encontradas tanto no tubo quanto na secreção, com maior frequência de C. albicans (44,4%) das leveduras isoladas. C. glabrata quando presente estava associada a C. tropicalis ou C. albicans.

Conclusão

Conclui-se que a prevalência de leveduras do gênero Candida presentes em biofilme de tubo endotraqueal é alta e, considerando que biofilmes são importantes fontes desses micro-organismos, esse achado representa um fator de predisposição para colonização no sistema respiratório, o que pode aumentar os riscos de infecções fúngicas dos pacientes internados na UTI.

Referências

Área

SEPSE/Infecção

Instituições

Autores

Fabrício Yatsuda Bernardo, Marcio Pini, Elenice Gomes Ferreira, Isabele Carrilho Jarros, Flávia Franco Veiga, Lorena Rufato Rizzo, Nelí Pieralisi, Melyssa Negri, Terezinha Inez Estivalet Svidzinski