XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Equipe Multidisciplinar no processo de extubação: um relato de caso

Objetivo(s)

Identificar a importância de uma equipe multiprofissional no processo de extubação de pacientes internados em terapia intensiva.

Métodos

Foram observados 5 extubações em um período de 4 semanas em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), analisando a presença de todos os profissionais envolvidos e a função que cada um ocupa desde a decisão de extubar um paciente, até sua total recuperação pós tubo.

Resultados

A decisão final pela extubação foi unanimemente realizada pelo profissional médico, porém em três pacientes a ideia inicial se deu pelo enfermeiro e em dois casos pelo fisioterapeuta. Isso se dá pelo tempo de permanência que esses profissionais permanecem com o paciente. A vivência constante e por 24h da parte da enfermagem fez com que os pacientes pudessem ser analisado de maneira integral, onde toda evolução foi presenciada. O fisioterapeuta respiratório avaliou a função pulmonar, juntamente com a neurológica, e com base em exames laboratoriais, testes com a ventilação mecânica, quantidade de secreção e diagnóstico de base, propôs a extubação. O médico por sua vez, que também avalia constantemente o paciente, uniu informações semiológicas, laboratoriais e diagnósticas, diminuiu gradativamente o uso de sedativos e drogas vasoativas, para então programar com a equipe a extubação o mais precoce possível dentro do quadro permitido. Em UTIs é a visita multidisciplinar é realizada não apenas pelos profissionais citados mas também por farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos e os demais necessários conforme cada particularidade. Essa visita tem o objetivo de ampliar a visão de cada profissional, tornando o paciente parte de um todo e se mostrou essencial para a união de todas informações necessárias para a programação de uma extubação com sucesso além da retirada de demais dispositivos invasivos.

Conclusão

Pacientes em leitos de terapia intensiva, em sua maioria, são dependentes de ventilação mecânica e cabe à equipe a decisão da retirada desse tubo. Com a presença de visitas e consultas multiprofissionais à esses pacientes, o processo de extubação se deu de forma satisfatória quando realizado em equipe, pois assim todos os aspectos do paciente são levados em consideração, diminuindo assim o risco de um retorno para ventilação mecânica.

Referências

Área

Multidisciplinariedade

Instituições

Autores

Camila de Souza Oliveira, Carlos Eduardo dos Santos, Mayara Cristina Santos da Silva, Maria Luiza Guidinho Bernardes, Caroline Rafaela Marques, Thiago Borges Pinto, Marcia Eiko Karino, Maria Clara Giorio Dutra Kreling, Crysthianne Cônsolo Almeida Baricati, Mara Cristina Nishikawa Yagi, Marcia Paschoalina Volpato