XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Protocolo de desmame ventilatório prolongado

Objetivo(s)

Relatar os desfechos do desmame ventilatório prolongado (DVP).

Métodos

Estudo observacional do tipo retrospectivo descritivo e transversal, aprovado pelo comitê de ética com nº 1.588.052 de 13/06/2016, incluiu pacientes sob DVP na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), de janeiro a setembro de 2016. Foram analisados os seguintes dados: idade, diagnóstico, tempo de internação no hospital, na UTI, tempo de ventilação mecânica invasiva (VMI), tempo de sedação e dias de intubação orotraqueal até a traqueostomia (IOT até TQT) e dias para alta da UTI após as primeiras 24 horas em respiração espontânea. A estatística descritiva das variáveis contínuas, realizada através do cálculo de médias e desvios padrão, assim como teste "t" student para comparação entre médias de amostras não pareado, pelo programa Microsoft Excel 2010®.

Resultados

Dos 57 pacientes admitidos na UTI, 23 atendiam os critérios de inclusão, divididos em dois grupos: DVP concluído (GA) com 14 (60,87%) pacientes e DVP não foi concluído (GB) com 09 (39,13 %) pacientes. A média de idade no GA foi 65,56 ± 17,56 anos e no GB 47,79 ± 18,70 anos, com p = 0,03. As principais causas de admissão foram 06 casos de politrauma (26,09%), 05 politrauma com traumatismo cranioencefálico (TCE) (21,74%) e 04 acidente vascular cerebral (17,39%). A média dos dias de internação no hospital, na UTI e tempo de VMI foram 52,13 ± 21,59, 34,17 ± 17,56 e 38,83 ± 17,63 dias, respectivamente. A média de dias de IOT até TQT, no GA foi 10,64 ± 6,18 dias e no GB de 18,22 ± 3,96 dias, com p = 0,003. A média dos dias submetidos a sedação no GA (11,22 ± 10,23) e no GB (17,44 ± 13,34), com p = 0,02. O GA evoluiu com alta da UTI em média 5,21 ± 2,89 dias após as primeiras 24 horas sem VMI. O GB realizaram tentativas de DVP, porém evoluíram com óbito na UTI.

Conclusão

O DVP ocorreu em maior proporção em pacientes politraumatizados e com TCE, sendo que pacientes com maior idade e os que a TQT foi realizada com menor tempo de VMI obtiveram maior sucesso no DVP.

Referências

Área

Multidisciplinariedade

Instituições

Autores

Aline Luana Schulze, Helton Eckermann da Silva, Michelli Marcela Dadam, Fernanda Perito Aguiar, Raquel Antonacci Rodrigue, Felipe Pfutzenreuter