XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELATO DE CASO: INTOXICAÇÃO POR VITAMINA D

Objetivo(s)

Relatar caso de intoxicação por vitamina D, a fim de aumentar o conhecimento de sua apresentação clínica.

Métodos

Estudo descritivo, com relato de caso de paciente que apresenta intoxicação por vitamina D.

Resultados

Intoxicação por vitamina D é rara, mas devido ao aumento do seu uso nos últimos anos tem-se relatado maior frequência. A polifarmácia, comum em idosos, é uma realidade atualmente e os efeitos colaterais de medicações passaram a ser parte do diagnóstico diferencial de quadros clínicos como delírio. A hipervitaminose D, definida como valores acima de 150 ng/ml é causa de hipercalcemia podendo causar efeitos neurológicos, gastrointestinais e renais. A hipervitaminose D por colecalciferol pode persistir por semanas mesmo após suspensão de vitamina D. Pacientes com alterações neurológicas, insuficiência renal ou cálcio total acima de 13,5 mg/dl devem ser tratadas como emergência. Condições clínicas envolvendo intoxicação por vitamina D são pouco relatadas. Hipercalcemia e, portanto, intoxicação por vitamina d, devem fazer parte do diagnóstico diferencial do paciente idoso com alterações de consciência. Paciente feminina, 77 anos, antecedente de hipertensão arterial sistêmica (HAS) em tratamento com Losartana. Apresentou-se com quadro súbito de confusão mental que evoluiu com sonolência, dificuldade para alimentação, poliúria e polidipsia. Foi diagnosticada com demência associada a parkinsonismo. Sem melhora, procurou outro serviço onde apresentava as mesmas queixas. Ao exame físico Glasgow 13 e sinais de depleção. O médico revisou as medicações usadas, identificando colecalciferol (20.000 UI/dose), cálcio e losartana. A dosagem de calcio revelou hipercalcemia grave (cálcio 13,2 mg/dl) e vitamina d 160 ng/dl. Iniciou hidratação vigorosa e furosemida, recebendo alta com orientação de suspender vitamina D. Quatro dias após retornou ao hospital com mesmo quadro inicial e cálcio sérico de 14 mg%. Foi tratada com hidratação e ácido zoledrônico, corrigindo-se a calcemia e melhora total do quadro clínico.

Conclusão

A revisão de todas as medicações utilizadas pelos pacientes, incluindo suplementos e medicações manipuladas, deve fazer parte da avaliação inicial. Isso é particularmente relevante em quadros com diagnóstico diferencial amplo como delirio, torpor, e confusão mental e em pacientes idosos em uso de múltiplas medicações (polifarmácia).

Referências

Área

Renal, metabólico e nutrição

Instituições

Autores

Guilherme Ferreira Zonta, Camila Marchi Blatt, Carlos Eduardo Nova Cruz