XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

O perfil de pacientes diagnosticados com delirium na CTI adulto em um hospital particular da cidade de Blumenau – SC

Objetivo(s)

OBJETIVO GERAL Conhecer o perfil dos pacientes diagnosticados com delirium em um hospital particular OBJETIVO ESPECÍFICO Levantar dados de faixa etária, sexo, tempo de permanência na CTI, comorbidades, utilização de dispositivos invasivos, aminas vasoativas, sedação, hemodiálise, origem da internação e diagnóstico principal; Taxa de mortalidade dos pacientes com diagnóstico de delirium.

Métodos

Trata-se de uma pesquisa quantitativa de caráter descritivo, retrospectiva e documental. A pesquisa foi realizada em uma instituição privada com 20 leitos de CTI adulto, sendo 10 leitos cardiológicos e 10 leitos gerais. Para a coleta dos dados foram utilizados os sistemas de informações TASY e Epimed. O Sistema Tasy é um software para a gestão em saúde. O Sistema Epimed Monitor permite gerenciar informações clínicas e epidemiológicas e gerar relatórios em tempo real, que auxilia na análise de indicadores e na melhora da qualidade do atendimento hospitalar. Pesquisa aprovada pelo comitê número: 5370 – FURB.

Resultados

O perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com delirium na instituição foi predominantemente em mulheres, com idade entre 65 a 80 anos, com comorbidades de hipertensão arterial, oriundas da enfermaria, com o diagnóstico principal de internação na CTI predominante de insuficiência renal aguda, com o diagnóstico de delirium entre os três primeiros dias de internação, a média de permanência no centro de terapia intensiva foi de 12,7 dias, onde 75% utilizaram CVC e SVD como dispositivos invasivos e 70% utilizaram aminas como suporte, o desfecho dos pacientes com CAM positivo foi de 62,50% de alta para a enfermaria.

Conclusão

Pequenas e importantes intervenções podem ser tomadas pela equipe multidisciplinar para tornar o ambiente do CTI menos inóspito para prevenir o delirium, como uma melhor percepção do ambiente, por janelas e iluminações naturais, relógios, calendários, presença prolongada do familiar no CTI, fotos, vistas pets, tablets, saídas externas do setor, comemorações de aniversário, casamentos, tapa olho, entre outros. Através deste dado e conhecendo o perfil dos pacientes em delirium, foi possível desenvolver ações para a prevenção da doença mais eficaz e efetiva para esta população, contribuindo para uma internação menos prolongada e uma taxa de menor mortalidade.

Referências

Área

Multidisciplinariedade

Instituições

Autores

Fabiana Junkes, Luciana Araceli Lorenzetti, Soraya Bachmann Sousa