XVII Congresso Sul Brasileiro de Medicina Intensiva

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Estudo clínico sobre incidência da hipertensão intra-abdominal no paciente grande queimado

Objetivo(s)

Avaliar incidência e fatores de risco para hipertensão intra-abdominal em pacientes com queimaduras extensas.

Métodos

Estudo de coorte prospectivo incluindo todos os pacientes com área de superfície corporal queimada ≥ 20% admitidos no período de Agosto de 2015 a Novembro de 2016. Foram coletados dados clínicos, demográficos e sobre a etiologia e característica das queimaduras, além do escore de disfunção orgânica SOFA. A medida da pressão intra-abdominal foi aferida periodicamente durante a primeira semana de permanência na UTI. Aprovação do comitê de ética local numero 041/2013.

Resultados

Durante o período do estudo 50 pacientes foram incluídos, sendo 66% do sexo masculino, mediana de 39 anos de idade (intervalo interquartílico - ITQ: 28 – 53) e área de superfície corporal queimada de 30% (ITQ: 20 – 46). Na maior parte dos casos a queimadura ocorreu em ambiente doméstico (48%), sendo de etiologia térmica por chama aberta em 43 casos (86%), sendo o agente causal mais comum o álcool, em 26 casos (52%). Vinte e oito (56%) pacientes apresentaram critérios para hipertensão intra-abdominal, e sete pacientes (14%) desenvolveram sinais clínicos compatíveis com síndrome compartimental abdominal. O maior número de casos novos de hipertensão intra-abdominal ocorreu entre o quarto e quinto dia. A gravidade da queimadura foi maior no grupo que desenvolveu hipertensão intra-abdominal, representada pelo escore ABSI, assim como esse grupo apresentou maiores valores de creatinina e de balanço hídrico positivo. A gravidade da queimadura foi maior entre os que tiveram síndrome compartimental abdominal e este grupo mostrou maior frequência de alteração das funções renal e respiratória. Os sistemas orgânicos mais frequentemente acometidos nos grupos com critérios diagnóstico para hipertensão intra-abdominal e síndrome compartimental abdominal foram o renal, cardiovascular e respiratório.

Conclusão

A incidência da hipertensão intra-abdominal durante o período de estudo foi alta, tendo como fatores de risco a extensão da superfície corporal queimada e o balanço hídrico positivo. A ocorrência de síndrome compartimental abdominal foi menor e as disfunções orgânicas mais comumente associadas foram a respiratória, cardiovascular e renal. Não houve associação entre o aumento da pressão intra-abdominal e piora de prognóstico nesta amostra.

Referências

Área

Multidisciplinariedade

Instituições

Autores

Tomás Alvares Moreira, Igor Veiga Silverio, Isabela Faria Larini, Juliana Moreira, Leonardo Shingu, Lissa Niekawa, Marianne Machado, Josiane Festti, Claudia M D Maio Carrilho, Cintia M C Grion, Meiry Sayuri Tsuda